Clima é fator atenuante infectologistas acreditam que epidemia não deve atingir o patamar de China e Itália. Moradia precária poderia ajudar a propagação do vírus, que já infectou 25 e tem 930 casos suspeitos

O Brasil tem 25 casos de infecção pelo coronavírus confirmados e mais de 900 casos suspeitos, segundo informou o Ministério da Saúde nesta segunda-feira, 9. Depois do anúncio do Governo, o Rio de Janeiro divulgou a confirmação de mais cinco casos. A alta dos números eleva o temor de que o país enfrente um surto de proporções chinesas —ou italianas. O país europeu, por exemplo, anunciou que deve isolar toda sua população de 60 milhões de pessoas para tentar conter a propagação da doença, que tem se espalhado rapidamente na região norte da península e sobrecarregado a infraestrutura dos hospitais. Viagens estão proibidas, bem como eventos públicos. Inicialmente a medida se aplicava apenas a 11 províncias que abrigavam pouco mais de 16 milhões de habitantes, mas o premiê Giuseppe Conte decidiu ampliar a restrição nacionalmente nesta segunda-feira. Na China medidas semelhantes também foram tomadas, restringindo o direito de ir e vir de parte da população. Será que por aqui estaríamos prontos para lidar com uma crise destas proporções? E mais: estamos trilhando o mesmo caminho que estes outros países, com milhares de casos confirmados e centenas de mortos?

Quanto a isso, temos o clima como aliado. “As doenças respiratórias e viróticas se propagam mais em países de climas frios, pois as pessoas ficam em ambientes menos ventilados”, explica Juvêncio Furtado, chefe do departamento de infectologia do Hospital de Heliópolis, em São Paulo. Nosso clima tropical —ainda mais durante o verão— serviria, portanto, para diminuir a velocidade de transmissão do coronavírus por aqui. Furtado destaca ainda que ainda não temos no Brasil a chamada transmissão sustentada, que ocorre quando não se consegue traçar a origem do caso, como ocorre com um resfriado comum. Na Itália e na China já existe este tipo de transmissão, que dificulta o acompanhamento e controle do surto, uma vez que não se sabe em que situação a pessoa foi contaminada.

Com relação a uma eventual restrição de circulação de pessoas no país, Furtado afirma que não há um “marco” a partir do qual este tipo de medida deve ser colocada em prática. “Esse número é bem contestável, mas algo acima de 100 casos e com transmissão sustentada”, afirma. “Medidas restritivas dependem de cada local, comunidade e Governo, não existe padrão mundial. Na cidade de São Francisco (EUA), por exemplo, existe restrição em algumas empresas. Aqui no Brasil sem qualquer número significativo, algumas já o fazem.”

Se o clima tropical tem, ao menos por enquanto, jogado a nosso favor, temos a pobreza como inimiga. “Em um caso de transmissão sustentada, que acredito que em algum momento teremos no Brasil, mas numa escala menor do que no hemisfério norte, a questão da moradia precária aumenta e muito o risco de transmissão”, diz Furtado. Cortiços e grandes favelas com alta densidade demográfica onde muitas pessoas dividem o mesmo cômodo podem agir como um ambiente propício para a propagação da doença. “Até agora a maioria dos infectados tem uma condição socioeconômica boa”, lembra o infectologista. A maioria dos infectados esteve em viagens no exterior.

Caso a situação no país se deteriore, diz o médico sanitarista Pedro Tauil, da faculdade de Medicina da Universidade de Brasília, a tendência é de que a população mais pobre seja mais afetada. “Existe uma relação entre a pobreza e a incidência infecções”, afirma. Ele também defende que a questão climática seja analisada com cuidado no Brasil. “Não é possível dizer como vai se dar a disseminação do vírus aqui, é provável que siga o padrão internacional com o término do verão”, afirma.

Outro ponto que desperta preocupação com relação a um surto de coronavírus no Brasil diz respeito à capacidade do Sistema Único de Saúde (SUS) de lidar com a situação. “Eu diria que o SUS está avisado e preparado. Mas só é possível saber na prática, é impossível fazer uma previsão. Em tese, aqui em São Paulo em nos grandes centros urbanos do país, estamos preparados”, diz Furtado, referindo-se ao fato de que o alerta para uma possível pandemia da doença foi dado cedo no país.

Também é preciso ter em mente que a maioria do casos de infecção por coronavírus são considerados leves, e não demandam internação. “Na China e no Japão a maioria dos casos não exige a hospitalização do paciente, então a pressão hospitalar, por leitos e equipamentos, não deve ser muito grande”, diz o sanitarista Tauir. Ele destaca que os casos que exigem uma atenção especial são aqueles envolvendo idosos e pessoas imunodeprimidas, com capacidade de resposta imunológica baixa.

Mas nem todos os médicos são otimistas com relação à capacidade do nosso sistema de saúde de absorver um aumento na demanda. “Qualquer epidemia em qualquer lugar do mundo pega o país despreparado, porque você não monta a sua rede de saúde com base na epidemia, e sim com base nas necessidades de atendimento do dia a dia”, diz o médico infectologista Marcos Boulos. Ele afirma que haverá a necessidade de disponibilizar mais leitos para lidar com os casos mais graves: “Haverá uma sobrecarga”. Ele não acredita, no entanto, que a epidemia atingirá um nível de contágio semelhante ao visto na China e Itália.

Fonte: El País