Agostinho Patrus compareceu à cerimônia para construção de espaço em memória das vítimas do rompimento de barragem.

O presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputado Agostinho Patrus (PV), participou, na manhã de sábado (25/1/20), em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, do lançamento da pedra fundamental do Memorial às Vítimas do Rompimento da Barragem da Mina Córrego do Feijão.

A cerimônia – realizada pelo Governo do Estado, pela Associação dos Familiares de Vítimas do Rompimento da Barragem Mina Córrego Feijão Brumadinho (Avabrum) e pela Prefeitura de Brumadinho – marca um ano da tragédia que matou 272 pessoas, 11 delas ainda não encontradas. A mina é de responsabilidade da mineradora Vale.

Em frente a um painel com a frase “Dói demais o jeito que vocês foram embora” e o nome das “joias” perdidas na tragédia, familiares das vítimas homenagearam diversas instituições. O Corpo de Bombeiros foi aplaudido de pé. O trabalho da CPI da Assembleia também foi destacado. Agostinho Patrus recebeu a placa de agradecimento “por todo apoio recebido nos últimos 365 dias” das mãos de Andresa Rodrigues, que perdeu seu filho Bruno.

O presidente da ALMG lembrou que o Legislativo mineiro está monitorando o cumprimento das recomendações do relatório final da CPI. “Pela primeira vez na Assembleia, nós criamos um grupo que dá continuidade ao trabalho da CPI. E uma das cobranças é a finalização de toda a regulamentação da lei aprovada na Assembleia, que bane de maneira definitiva empreendimentos como esse que infelizmente veio a matar 272 pessoas”, afirmou.

Agostinho Patrus destacou ainda que trata-se do maior número de mineiros mortos em toda a história de Minas Gerais. “Um crime que poderia ter sido evitado e que não pode voltar a acontecer”, finalizou. O governador Romeu Zema também afirmou que espera que a tragédia seja a última dessa natureza no Estado.

Zema disse ainda que serão mantidas, por tempo indeterminado, as buscas às vítimas não encontradas. “Nossa prioridade é humanitária. Ainda temos 11 entes queridos que não foram localizados. Precisamos dar esse conforto às famílias.”

Participantes – Além de centenas de familiares e amigos das vítimas, participaram da cerimônia o presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Nelson Missias; o procurador-geral de Justiça, Antônio Sérgio Tonet; o deputado Bartô (Novo); e autoridades das Polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros e Defensoria Pública.


Memorial terá área de mais de 8 hectares

O Memorial às Vítimas do Rompimento da Barragem da Mina Córrego do Feijão será construído numa área de 8,4 hectares, na Comunidade Córrego do Feijão, em Brumadinho. Ele atende à solicitação da Associação dos Familiares de Vítimas do Rompimento da Barragem Mina Córrego Feijão Brumadinho (Avabrum). Os projetos estão em elaboração e serão custeados pela Vale S.A.

A representante dos familiares na solenidade, Kenya Lamounier, destacou que o memorial é uma homenagem aos que tiveram suas vidas ceifadas. “Não podemos deixar que o que aconteceu caia no esquecimento, que 272 vidas virem meramente estatística”, destacou. Emocionada, ela afirmou que a iniciativa é também uma reverência à vida: “Flores não morrem, viram sementes. E sementes dão frutos”.

A cerimônia de lançamento da pedra fundamental contou ainda com uma benção proferida pelo pároco da Igreja São Sebastião, em Brumadinho, padre Renê Lopes; toque de silêncio; e soltura de balões brancos. Familiares também depositaram flores em diversas cruzes, com os nomes das vítimas.
Fonte: ALMG