Naquela mesa                             (travêssa… às avessas)

Senta-se o pai                             (que sempre trai)

a mãe                                          (confiante)

o filho                                          (mal criado)

e o espírito santo                        (blasfemado)

Amem!                                         (fato consumado)

Naquela mesa                              (estridente e renitente)

senta-se o crente                         (fanático)

o profeta                                      (barbudo e prepotente)

e o vidente                                   (que só não prevê a sua sorte)

Senta-se

o incrédulo                                  (que pleiteia um lugar no clero)

o branco                                      (sempre pendurado no banco)

o preto                                         (que não senta… é sentado)

o fraco                                         (mal alimentado)

o pobre                                        (que vive por teimosia)

e sua prole                                   (que sustenta com salário mínimo)

Naquela mesa,

senta-se o rico                             (diabético, agiota, cretino)

o feio                                           (pra uns …pra outros um esteio)

o bonito                                       (péssimo estado clínico)

o negro                                        (neurótico do Navio Negreiro)

o Grego e o Troiano                    (trapaceiros)

Senta-se,

o tirano                                        (enfadonho)

o presidente                                (sorridente)

o ditador                                      (que se diz senhor)

o sorridente                                 (um safado)

e o sofredor                                 (com seus cambalachos)

Mas, naquela mesa

senta-se

o imperador                                 (com seus louros e fitas)

o imponente                                 (que chora pelas batatas fritas)

Senta-se

o escravo                                      (em úmida esteira)

o senhor                                        (em suntuosa cadeira)

assim como senta-se

a dama                                          (uma das mais elegantes)

tão cheia de fama                         (às escondidas em sua cama)

e a professora em pessoa             (a sonhar com novo aumento)

senta-se a substituta                     (resoluta a mendigar)

a beata, mal amada                       (a pedir o paraíso)

a prostituta, a que mais luta          (ave Seluta)

Naquela mesa

sentam-se as Américas,               (náufragas de uma época)

Europa, Oceania,                          (onde guerra virou mania)

Exércitos, tropas                           (ansiedades e saudades)

hipocrisias…                                  (meras fantasias)

senta-se o canhoeiro

o feiticeiro,

o pai de santo                              (todos o mercado consome)

o exu, o xangô

e o gigolô…

Naquela mesa

sentam-se todos

e todas…

Cada qual com seus direitos,

mas naquela mesa,

tenho certeza…

Não se sentará nunca

a velha Tereza

mera serviçal                               (INSS, FGTS, Sindical)

que morrerá

servindo aquela mesa.                (onde repousará, finalmente, seus restos mortais)